quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

MUDANÇAS NA GESTÃO DA EMEF DR JOÃO MARIA

Entre o final do ano de 2.017 e início do ano de 2.018 muitas mudanças ocorreram na gestão da EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior".
Inicialmente, a Diretora Professora Flora Teresa D'Errico Martins aposentou-se no mês de outubro. Despediu-se da comunidade, inclusive, no show de talentos.

Dona Flora se despede da comunidade


Sua sucessora, Professora Simone Delevedove Fávero, que era a Assistente de Direção, assumiu desde então, com a incumbência de encerrar o ano letivo com todos os compromissos típicos das finalizações e iniciar o novo ano com todas as novidades.
Até o momento, essas novidades foram de bastante impacto: mudanças no quadro de funcionários; abertura de novas 5 salas na escola, inclusive de anos finais no período da tarde; teste de novo sistema eletrônico de matrícula, e assim por diante.
Com Profª Simone assumindo a Direção Escolar, ela chamou para assistente a então coordenadora pedagógica dos anos iniciais, Profª Janaína Monteiro Faria, que assumiu sua nova função ainda em dezembro.

Diretoras Simone e Janaína: tudo novo na escola!

A coordenadora dos anos finais, Jaqueline Alves Barea Cantão, passou em concurso público para Diretor Escolar da rede estadual. Sendo a melhor classificada da região de Botucatu, escolheu a escola EECA. Sua posse ocorrerá no final do mês de fevereiro.

Profª Jaqueline Barea se despede da coordenação pedagógica

Sendo assim, a escola abriu vagas para a coordenação pedagógica, tanto dos anos iniciais como finais.
Até a publicação desta postagem, apenas a coordenação dos anos iniciais foi escolhida pela direção escolar. A eleita, foi a Profª Bruna, que ministrava aulas na escola do "Serrinha", na COHAB I.


A verdade é que a escola tem a cara de sua gestão. As professora Flora e Jaqueline deixaram pelo João Maria muitas marcas com o estilo de conduzi-la. 
Agora, nasce o novo, fresquinho em folha, com todas as possibilidades de fazer melhor ainda! Isso é bom!

Parabéns a todos. Bom trabalho!

E que venha o novo!

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

OBMEP 2017 revela as feras da Matemática

Pela décima terceira vez é realizada, em nível nacional, a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas.
Enquanto que no ano de 2.016 a EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior" contou com um medalhista de bronze (Edwin Samuel Alves Santana, que estudava na época no 6º ano D, junto à professora de Matemática Gleyce Azuaga, veja a foto) e mais três Menções Honrosas: Aimê Zanella Machado (do 6º ano A), Bruna Gabrielli de Lucas Domingos (8º ano A) e Giovanni Pimentel (9º ano B).

Edwin Samuel, com sua medalha de bronze na Matemática nacional
ladeado pela Coordenadora Jaqueline Barea e Professora Gleyce Azuaga

No ano de 2.017, com a divulgação dos resultados no final do mês de novembro, a EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior" teve muito que comemorar, pois nove alunos receberam Menção Honrosa da 13ª OBMEP-2017.
O resultado já era esperado, devido ao interesse e empenho de alguns alunos e seus pais.


Na foto, Guilherme, Danilo, Abraham e Camille aproveitam
um intervalinho entre as aulas para se prepararem para a segunda fase

Os destaques da Matemática foram:
Aimê Zanella Machado - 7º ano C - Profª Rita de Cássia

Camille Mickaelly Destro de Souza - 6º ano C - Profª Rita de Cássia

Danilo Azzem João de Lima - 7º ano C - Profª Rita de Cássia

Guilherme Diaz Gimenes - 6º ano C - Profª Rita de Cássia

Gustavo Argentim Flausino - 9º ano B - Profª Gleyce Azuaga

Isaac Reis de Souza - 8º ano B - Profª Gleyce Azuaga

Leonardo Rocha de Lima - 6º ano B - Profª Rita de Cássia

Ricardo Juncom Codello - 9º ano B - Profª Gleyce Azuaga

Ryan Pereira Chaves - 9º ano B - Profª Gleyce Azuaga

Importante destacar que todos esses alunos, caso desejem, devem entrar no site da OBMEP (www.obmep.org.br) e verificar junto às universidades a possibilidade de bolsa de iniciação científica nos estudos da Matemática.
Parabéns aos alunos, professores e pais pela grande conquista!


Concurso de Redação da Campanha de Valorização da Vida

EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior" fica em primeiro lugar

Desde 2016, acontece em Botucatu, um grande movimento de valorização da vida, com atividades organizadas para o ano todo, com ápice no mês de setembro - "setembro amarelo".
Para tanto, existe na cidade toda uma equipe que reúne representantes da industria, do CVV, da FMB - UNESP - Botucatu e de secretarias da Prefeitura de Botucatu.
Uma das atividades do setembro amarelo de 2017 foi o II Concurso de Redação da Campanha de Valorização da Vida, realizado pela CAIO Induscar em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, com o tema "O que me Faz Feliz".
Cada escola pode inscrever 10 redações para concorrer à premiação cedida pela CAIO que, além de prêmios materiais, também possibilitou uma visita de estudantes à empresa.
O vencedor do concurso de redação, em primeiro lugar, foi o aluno Matheus Gadiel Correa Rodrigues de Lima, do 7º ano D da EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior", cuja professora de Língua Portuguesa que auxiliou no processo foi Maraci Marta.
Seu prêmio foi uma moderníssima bicicleta, o que o deixou muito satisfeito (veja foto a seguir).
Matheus Gadiel com seu prêmio do concurso de redação

A seguir, leia e se emocione com o belo texto produzido pelo aluno:

Porque sou feliz

Querido pai celestial,

Me faz muito feliz ser filho seu, me faz feliz poder andar, correr, estudar, respirar. Sou feliz em poder viver.
Muitas pessoas não são felizes por não conseguirem fazer o que consigo, devido a isso, te agradeço todos os dias. isso me faz muito feliz.
Fico feliz em poder estudar em uma boa escola, como o João Maria, porque muitos não conseguem vaga nela, sou feliz por estar em uma boa sala.
Sou mais feliz ainda por ter um pai e uma mãe. Há pessoas que não têm nem pai e nem mãe, devido a isso, agradeço-lhe todos os dias.
Meus pais têm um emprego bom, uma casa boa, um carro bom e uma vida boa.
E eu sou feliz por ter nascido pelo Senhor.
Obrigado, Senhor Jesus!

Matheus Gadiel


Concurso de Cartazes sobre a Paz - 2017

EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior" fica com a terceira colocação

Concurso de Cartaz da Paz é um evento mundial promovido pelo Lions Clube Internacional, que tem como objetivo incentivar as crianças de 11 a 13 anos a expressarem criativamente suas percepções sobre a paz, buscando estimular a reflexão de alunos, pais, professores e de toda comunidade escolar sobre o assunto.
Concurso de Cartaz da Paz foi criado em 1988, nos EUA. Cerca de 350.000 crianças de mais de 65 países participam anualmente deste concurso. Ao todo, mais de 4 milhões de crianças, de mais de 100 países, já participaram.
A EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior" participou pela quarta vez em 2017, onde o tema foi "O futuro da paz".
Refletindo e discutindo sobre o tema, os alunos dos 6ºs e 7ºs anos apresentaram suas obras que foram todas encaminhadas para o Lions Clube de Botucatu.
Lá, os senhores e senhoras pertencentes a essa distinta organização, elegeram os seus três preferidos dentre as quatro escolas que participaram.
A aluna Bianca Larissa Oliveira Silva da Costa, estudante do 7º ano B da EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior", orientada pela professora de Arte Rosângela Rocha, ficou com a terceira colocação.

Aluna Bianca Larissa recebendo prêmio de terceiro lugar
pelas mãos da liderança do Lions Clube de Botucatu

Devido a isso, ela, sua família e as Diretoras da Escola Simone Delevedove e Flora D'Errico, participaram de um jantar comemorativo no Lions no final do mês de novembro.


A alegria, o carinho e o carisma de Bianca Larissa envolveram a todos, entre muitos abraços, sorrisos e poses para fotos.
Parabéns à querida aluna, que continue brilhando e abrilhantando a escola!


Bianca Larissa apresentando sua obra à escola

Obra apresentada por Bianca Larissa sobre "O Futuro da Paz"





sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Curso de primeiros-socorros têm participação de 

professores e gestores escolares


A liga de atendimento de emergência e primeiros-socorros da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP, ofereceu à Secretaria Municipal de Educação um curso de atendimento de emergência e urgência.
Funcionários e professores interessados se inscreveram e passaram uma manhã de sábado estudando o assunto através de uma atividade organizada em Team Based Learning e em atividades práticas.
Foram momentos de muita integração dos presentes e bastante enriquecedores, tanto em conhecimentos sobre o assunto como também de metodologia de ensino.
Observe nas fotos a seguir, os integrantes da EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior" que participaram:

Profº Nilson Simião treinando manobras cardíacas 
e de ventilação pulmonar  

A Educadora Ambiental Bárbara Mendonça
treinando ventilação em bebês

 A Coordenadora Jaqueline Barea e a Diretora Simone Delevedove
treinaram manobras para desengasgar bebês

Dona Lúcia aposenta-se

A funcionária Marilúcia Coelho, após 22 anos de trabalho na EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior", aposentou-se em meados de 2.017.
Agora, a também moradora da Vila São Lúcio diz que vai se dedicar à família, às atividades físicas, à sua vizinhança, e ainda mais à vida e à alegria.

Vai, Dona Lúcia! Vai curtir a vida!

Muitos nasceres de sol para a senhora!



Observação:
Nos últimos cinco anos, vários funcionários da escola se aposentaram:
- Dona Soninha da secretaria escolar;
- Dona Zenaide e seu Paulo, da inspetoria de alunos;
- Dona Inesinha, da cozinha;
- Dona Silvinha, da limpeza e
- Dona Flora, diretora (veja futura postagem)
Logo logo teremos aposentadoria da Rosângela, da secretaria escolar.

Avaliação da presença dos pais em reuniões

Em 2017, alguns resultados foram surpreendes

Não é de hoje que a EMEF "Dr João Maria de Araújo Júnior"se preocupa com a presença dos pais em reuniões de pais e mestres.
Sempre, após de cada reunião, a coordenadora pedagógica Jaqueline Barea, trabalha os dados de presenças dos pais, os apresenta e os discute junto à gestão e aos professores, buscando maneira possíveis de atrair os pais para a escola.
A seguir, os dados obtidos em 2.017:


Os resultados das presenças dos pais na reunião referente ao primeiro bimestre foi insatisfatória, especialmente nos 6ºs anos, pois a maioria dos alunos é de gente nova, iniciando na escola. Era de se esperar um interesse dos pais em conhecer os professores de seus filhos.
Em vista disso, a escola, com o auxílio do estagiário de informática presente na época, montou grupos com os endereços de emails dos pais.
Dessa forma, além do bilhete colado no caderno dos alunos (para aqueles pais dedicados que sabiamente olham os cadernos de seus filhos todas as semanas), muitos pais, passaram a receber e-mail informando sobre a reunião.
A equipe de gestão e também da secretaria escolar, toda vez que atendia a um responsável, procurou verificar se este havia comparecido à reunião de pais e mestres ou não e então os orientava.
A melhora no comparecimento foi nítida na reunião referente ao segundo bimestre, especialmente do 6º ao 8º ano. O mesmo não ocorreu nos 9ºs anos.
Outro resultado positivo ao longo do ano, foi a presença dos pais dos 7ºs e dos 8ºs anos se assemelharem às dos pais dos 6ºs anos. Até então, isso nunca tinha ocorrido na escola. Geralmente, os pais vão abandonando o acompanhamento da vida escolar de seus filhos conforme esses vão crescendo.
Isso não é bom. Especialmente no 7º e no 8º anos, onde a escola alcança os maiores índices de retenção escolar.

Diretora Flora em reunião com os pais na sala de multimídia

Importante ressaltar que, para crianças e adolescentes, não basta que os pais busquem os boletins dos filhos na escola, é necessário demonstrar maior dedicação à vida escolar dos filhos e comparecer às reuniões de pais e mestres e até representar a comunidade nos grupos colegiados como Conselho Escolar e Associação de Pais e Mestres.
Nas reuniões, os pais conseguem, conversando com alguns professores (ou a maioria deles, se preferir) ter uma visão geral de como seu(sua) filho(a) vai no rendimento escolar e no convívio social.
Muitos pais se surpreendem pois imaginam que, na escola, o(a) filho(a) se comporta como em casa.
Eles se esquecem que, na escola, não tem jogos eletrônicos e nem uso liberado de aplicativos e ambientes de comunicação para "abduzir" os adolescentes.
No convívio social, os alunos exercitam seu controle inibitório, sua solidariedade, seus princípios morais e éticos, utilizando-se, para isso, a bagagem de educação que traz de casa e o capital cultural oferecido pela família e pelo entorno.
Limites que não foram impostos e/ou testados em casa, são postos em prova no convívio social e, em grupos, os alunos ganham força e apoio, tanto para fazerem coisas certas como erradas.
Devido a isso, pais e escola devem se dar as mãos e construir uma linha para educação em valores de crianças e adolescentes, pois a visão de um lado complementa a do outro.
Escola e família juntas são capazes de muito!